Sobre acessibilidade

Serviços

Início >> Artigos
10/11/2020 - 15:00

 

 

Texto: Rose Barbosa/Ascom Sedap

Arte: Mateus Costa/Ascom Sedap

 

 

Solidariedade não tem preço.  Acreditando na ajuda ao próximo, o Serviço Social da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap) colocou em prática nesta terça-feira (10), a campanha interna para a arrecadação de livros e também de medicamentos que ainda não estão na validade. A finalidade é montar um espaço de leitura e também um banco de remédios para atender aos servidores do órgão.

 

 O trabalho está sendo organizado pela equipe da Gerência de Serviço Social da Sedap que tem a frente a assistente social, Odaleia Marques. Ela informou que a instalação de um banco de medicamento está sendo acompanhado pela Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sespa), que destacará um profissional de Farmácia para dar toda a orientação à equipe da Sedap. “Esses medicamentos serão doados pelos próprios servidores que tenham em sua casa remédios que não estão precisando mais ou se quiser pode doar ta. Muita gente não tem condições de comprar às vezes um medicamento que necessita. Ás vezes eu tenho uma caixa de 30 comprimidos e só usei 15. Se não está mais precisando outro colega pode estar e a gente vai ajudar esse servidor que precisa e teve o medicamento prescrito pelo médico”, observou.      

 

 Supervisão- A assistente social enfatizou que só serão doados medicamentos mediante a apresentação da receita médica. Ela deixou claro que o objetivo da campanha não é estimular a automedicação. Os remédios serão acondicionados e controlados através de receitas no setor social da Sedap.   Ela destacou, também, que essa ação racionalizará o uso devido de medicamentos e reduzirá o desperdício de sobras. “O trabalho pretende atender ao servidor da Sedap para que ele possa dar continuidade ao tratamento de saúde em que se encontra no momento”, ressalta a assistente social.

 

Com relação à doação de livros, Odaleia Marques explicou que o servidor além de doar, pode também fazer a aquisição de um exemplar que lhe agrade. “È um estímulo à consciência ambiental e à leitura que previne o aparecimento de doenças e o declínio cognitivo. Vamos montar prateleira num dos corredores mais movimentados da secretaria e teremos a saída e entrada dos exemplares controlados através de fichas de empréstimo”.