Sobre acessibilidade

Serviços

Início >> Artigos
30/04/2020 - 19:45

 

Quase um milhão de alevinos já foram distribuídos no primeiro trimestre deste ano pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), através das Estações de Reprodução e Alevinagem de Santa Rosa, em Santarém e Orion Nina Ribeiro, em Terra Alta. Cerca de 850 piscicultores foram beneficiados, contribuindo assim não apenas para o sustento de diversas famílias, principalmente diante da pandemia do novo coronavírus, como também com a economia dos municípios atendidos pelas estações. As espécies repassadas foram principalmente de tambaqui e tambatinga.

 

 Da Uagro de Santarém foram distribuídos cerca de 420 mil alevinos. O gerente regional da Sedap no município, Alisson Miler, informou que a Uagro atende principalmente os municípios de Alenquer, Almerim, Aveiro, Itaituba, Mojuí dos Campos, Óbidos, Oriximiná, Rurópolis, Santarém, Terra Santa, Trairão e Uruará. Ele observa que “a distribuição de alevinos é o principal fomento do estado na piscicultura regional, pois é mais uma alternativa de incremento na fonte de renda para o produtor rural que baseia sua atividade econômica na agricultura e/ou na pesca, além de ser importante fonte de proteína para a dieta alimentar do dia a dia dos produtores”. Em média, segundo adiantou, são distribuídos 2 mil alevinos pra cada produtor.

 

Terra Alta-   Na Uagro de Terra Alta, de acordo com as informações repassadas pelo engenheiro agrônomo da regional de Castanhal, Job Júnior,  houve a distribuição de 500 mil alevinos para 600 produtores neste primeiro trimestre.  A espécie repassada foi basicamente de tambaqui. Mas, segundo adiantou, semana passada houve uma reprodução de piau. “A perpesctiva é para distribuir 200 mil alevinos de Piau-açu daqui a um mês”, previu. Os municípios diretamente beneficiados pela estação de Terra Alta são: Castanhal, Marituba, Igarapé-Açu, Vigia, Inhangapi, São Francisco do Pará, Santo Antônio do Tauá e Santa Izabel do Pará.

 

 Como lembrou o coordenador de aquicultura da Sedap, Alan Pragana, além destes, outros municípios também foram beneficiados este ano com os resultados da reprodução feita em Terra Alta.

 

 

Marajó-  Os municípios do Marajó também foram beneficiados com a produção de alevinos da Ugaro de Terra Alta.  No mês de março, lembrou Pragana, Breves recebeu 15 milheiros de alevinos de tambaqui, beneficiando os piscicultores locais. Ele anunciou, também, que já está em andamento a construção pela Sedap, juntamente com vários parceiros, de um centro de alevinagem no município. “Vai ser muito benéfico para a região do Marajó. Não só para os produtores da região quanto para a economia local. Será o primeiro do Marajó”.

 

O titular da Secretaria Municipal de Pesca e Aquicultura de Breves (Semupa), Sérgio Mocelin, informou que o centro atenderá os municípios de Breves,Anajás, Bagre, Curralinho, Gurupa, Melgaço, Oeiras do Pará e São Sebastião da Boa Vista. O empreendimento já está em vias de ser concluído, mas com a pandemia, houve a necessidade de redução no ritmo das obras.  O estimado, segundo ele, é que o centro atenda na safra de 2020/2021 um milhão de alevinos que é a demanda dos municípios que compõem a região. “Enquanto este centro de reprodução não é concluído, nós estamos pegando os peixes juvenis na Uagro da Sedap de Terra Alta”, observa.

 

 

 Ele informou, também, que foram cadastradas 19 famílias de Breves e uma de Melgaço para essa primeira remessa de 15 milheiros de alevinos. “Nós fazemos a distribuição sempre dia de quarta-feira pela manhã. Já visitamos as propriedades dessas famílias e avaliamos a capacidade dos seus tanques. Distribuímos conforme essa capacidade. Nós damos a assistência técnica a esses piscicultores”, informa.

 

O secretário municipal frisa que é importante a parceria mantida com a Sedap. “É impossível ao produtor familiar que precisa de uma quantidade entre  220 e 300 ou até de mil alevinos – dependendo do tamanho do tanque – ir comprar em Belém ou na Uagro de Terra Alta e trazer para Breves. Só de viagem de barco são 24 horas. O custo é alto e nem sempre os alevinos sobrevivem. Por isso, é muito importante essa parceria”, frisou.

 

Texto: Rose Barbosa

Fotos: Servidores da Sedap

Edição de fotografias: Mateus Costa