Sobre acessibilidade

Serviços

Início >> Artigos
08/01/2019 - 16:15

 

A integração dos órgãos que compõem o setor agropecuário é fundamental para a implementação das mudanças que o governo Helder Barbalho exige para direcionar o crescimento do Pará no campo, nesse novo tempo que começa não só no Estado, mas em todo o país. Esse foi o tom do encontro de apresentação do secretário de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, Hugo Suenaga, na última segunda-feira, 7, na Sedap.

 

Autoridades e servidores lotaram o auditório para ouvir o secretário Hugo Suenaga que considera de extrema importância para o Estado, o crescimento dos produtores rurais. “Para vislumbrar um Pará melhor é preciso fortalecer o campo com o fim de aumentar a geração de emprego e renda e para isso vamos trabalhar com base em quatro eixos principais”, informou Suenaga.

 

A regularização fundiária é um dos eixos que será incrementado com a parceria do Instituto de Terras do Pará (Iterpa). Legislação e inspeção sanitária, com a Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará), Assistência técnica aos produtores com ajuda da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) e a comercialização. “Não adianta fomentar a produção se não houver mercado para onde escoar os produtos”, explicou o secretário. Uma das alternativas será a compra governamental de produtos da agricultura familiar para a merenda escolar e para isso, Suenaga contará com a parceria da Secretaria de Estado de Educação (Seduc).

 

O presidente do Iterpa, Bruno Kono, afirmou que é possível fazer regularização fundaria no Pará para desenvolver a atividade agrária no Estado e essa é uma das prioridades do governo Helder Barbalho. “Criar um ambiente seguro para atrair investidores e para os próprios agricultores é nosso objetivo”, informou Bruno. A presidente da Emater, Cleide Martins, deu total apoio à integração dos órgãos para desenvolver o setor.

 

Um dos maiores desafios da Adepará é garantir a qualidade dos alimentos que chegam à mesa da população e para isso, a principal arma é a informação, disse o presidente Lucivaldo Lima. “Precisamos nos preparar para essa revolução tecnológica cada vez mais avançada, para efetuarmos as mudanças necessárias e solucionar os problemas”, justificou Lima. O chefe geral da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Adriano Venturieri acrescentou que “são necessárias novas tecnologias para produzir mais”.

 

O Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica, Carlos Maneschy, informou que tem um plano ambicioso de formação superior para qualificar mão de obra. “A ciência deve ser incorporada ao processo produtivo para mudar a realidade do Estado”, justificou Maneschy. Para o reitor da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), Marcelo Botelho, é necessário quebrar paradigmas para operar as mudanças exigidas pela sociedade e transformar o Estado.

 

O planejamento integrado do setor agropecuário também terá o apoio da Organização das Cooperativas Brasileiras do Pará (OCB/PA). O presidente Ernandes Raiol informou que o cooperativismo é um gigante de portas abertas para o futuro e se encontra estruturado para apoiar o Estado por meio das cooperativas de crédito e mão de obra.

 

Confira mais fotos em nossa fanpage: https://www.facebook.com/1595331740697950/posts/2312321505665633/

 

Texto:Leni Sampaio - Sedap

Fotos: Mateus Costa - Sedap