Sobre acessibilidade

Serviços

Início >> Artigos
03/09/2021 - 09:15

 

Texto: Rose Barbosa / Ascom Sedap

Foto: Mateus Costa / Ascom Sedap

 

Frutos de um Termo de Cessão de Uso entre a  Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap) e a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater), foram repassados na manhã desta quinta-feira (2) pela Sedap, equipamentos que serão destinados aos escritórios locais da Emater localizados na Região de Integração do Marajó, com o intuito de melhor atender aos agricultores familiares que procuram os serviços da instituição.

 

Foram entregues quatro arquivos em aço com quatro gavetas para pastas suspensas; 24 cadeiras tipo secretária (giratórias, sem braço com assento e encosto regulável), 16 kits de computador de mesa com 8GB, HD e monitor de 18 polegadas e uma mesa em MDF para reunião no formato oval com capacidade para seis lugares. 

 

 A entrega realizada na sede da Sedap, em Belém, pelo secretário de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, Giovanni Queiroz, contou com a presença da engenheira agrônoma, Antônia Aleixo, que está à frente da Diretoria de Agricultura Familiar (Dafa) da Sedap e dos engenheiros agrônomos, Ariolando Belfort e Jorge Magalhães, também da Dafa, responsáveis pelas ações da diretoria na Região de Integração do Marajó. 

 

Pela Emater, recebeu os equipamentos o diretor Técnico, Rosival Possídônio. O ato também teve a presença do coordenador do Colegiado Territorial Sustentável do Marajó (Codetem), Assunção Corrêa Novais. 

 

 O secretário Giovanni Queiroz observou que a parceria entre Sedap e Emater - que é vinculada à Sedap - é importante, pois a o órgão de extensão rural é a alavanca principal para a economia rural do estado. “A Emater precisa de estrutura para produzir e estamos contribuindo para que eles possam melhor equipar suas regionais e com isso atender melhor ainda a demanda do produtor rural”, enfatizou Queiroz. O objetivo a ser atingido lá na ponta com o repasse desses equipamentos, como complementou o secretário, é a agilização do atendimento ao produtor familiar.

 

Diretor Técnico da Emater, Rosival Possidônio afirmou que os equipamentos serão utilizadas nos escritórios locais da Emater em Breves, Soure, Portel e Curralinho. “Esses equipamentos permitem melhor estrutura aos nossos técnicos para realizar suas atividades junto aos nossos agricultores, principalmente,  os que trabalham naquela região”, frisou. Com os novos equipamentos, enfatizou o diretor, aproximadamente, 400 famílias de agricultores serão beneficiadas.

 

Integração - A diretora de agricultura familiar, Antônia Aleixo, enumerou alguns dos procedimentos que serão realizados através dos equipamentos. “Vai ser possível instrumentalizar os escritórios para receber os agricultores e melhorar o acesso dele a documentação e às políticas  por meio da emissão de Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP) e do Cadastro Ambiental Rural (CAR) com o foco para agricultores, agilizando os processos documentais e organizacionais das propriedades agrícolas”, destacou Aleixo. 

 

A diretora frisou que para melhor atender aos agricultores familiares,  os técnicos da  Dafa trabalham por região de integração. “Nós criamos um trabalho de estrutura organizacional onde os técnicos têm o domínio total das demandas que chegam das regiões, dos municípios que eles fazem a gestão e dos projetos que estão focados dentro das regiões”, disse Antônia Aleixo. 

 

O coordenador do Conselho Territorial Sustentável do Marajó (Codetem), Assunção Novais, explicou que baseado na distância para Belém e nas dificuldades que o produtor da região enfrenta muitas das vezes para conseguir se comunicar, houve a demanda do conselho, para o repasse de equipamentos e melhor estrutura para agilizar e aumentar o acesso do agricultor oriundos do Marajó.

 

“Os escritórios da Emater e da Amam – Associação dos Arquipélagos do Marajó em Belém -  estarão equipadas justamente para receber essa demanda.  Vai ter uma melhor estrutura  e acessibilidade aos técnicos e  vai facilitar  a elaboração de projetos, a discussão com o técnico e o acesso ao produtor e o deslocamento  de material, pois hoje a gente não tem esse trabalho dentro da nossa área. A parceria fechou em torno da Emater para ela ser a gestora desse processo com acesso a todas as demais  entidades parceiras”, ressaltou Novais.