Sobre acessibilidade

Serviços

Início >> Artigos
29/09/2021 - 10:45

 

Texto: Camila Botelho / Ascom Sedap

Fotos: Mateus Costa / Ascom Sedap

 

A Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário da Pesca (Sedap) participou hoje (28), a convite da Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba (Faepa) e Associação dos Produtores de Cacau do Estado do Pará (Ascau) do 1°Encontro dos Municípios de Cacau e Açaí, suas Perspectivas para o Desenvolvimento da Agropecuária. 

 

O Secretário adjunto da Sedap, Lucas Vieira, reitera que o cacau e o açaí são de grande importância para o Estado e que a Sedap tem vários programas que incentivam essas cadeias. “É preciso sempre olhar com bons olhos para essas regiões, principalmente o cacau de várzea e o açaí. Estamos aqui para ajudar sempre de forma mais efetiva a aumentar essa produção”.  E também afirmou que o governo do estado está atento e sabe que é preciso aumentar a mecanização nessas áreas e citou o Fundo de Desenvolvimento da Cacauicultura do Pará (Funcacau) que é essencial para ajudar esses municípios a produzir mais. 

 

 

O coordenador do Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Cacauicultura (Procacau), Ivaldo Santana, apresentou o tema “Perspectivas do Governo do Estado para Incentivar a Produção no Baixo Amazonas'' junto com o Engenheiro Agrônomo, Alexandre Galvão. 

 

 

Com objetivo de ter uma expansão da Cacauicultuga no Estado, Santana afirmou que o Funcacau vai capacitar técnicos e agricultores familiares em tecnologia de produção de cacaueiros, em sistemas agroflorestais, em 26 municípios e três são da região do Baixo Tocantins: Cametá, Igarapé-Miri e Mocajuba. “Para mostrar que o Estado tem também projeto nessa região. A Sedap sempre está de portas abertas, pois nossa intenção é sempre apoiar o produtor e que o cacau orgânico seja também de qualidade”.  

 

Santana mostrou que o Estado está com quatro projetos em execução e atende alguns municípios do baixo Tocantins com os projetos de implementações de 6 unidades pilotos de escolas indústrias de chocolate- Senar (Igarapé-Miri), consolidação da lavoura cacaueira no entorno de Belém (Moju, Igarapé-Miri e Barcarena), mapeamento e monitoramento das áreas agricultáveis com cacau no Pará -Embrapa ( Acará, Cametá, Igarapé-Miri, Mocajuba, Limoeiro do ajuru e Baião) e Indicação Geográfica- Sebrae (Acará, Cametá, Igarapé-Miri, Mocajuba, Limoeiro do Ajuru, Baião, Oeiras do Pará, Abaetetuba, Barcarena e Moju). “Cada projeto desse tem um fiscal da secretaria que acompanha in loco a execução”.  

 

Falando sobre o açaí, Galvão afirmou que todos os municípios são importantes e que o Estado produz 1.300.000,00 toneladas de Açaí e por isso, sendo o primeiro lugar de produção nacional. Em relação a exportação do produto, os cinco países que mais compram são os EUA, Japão, Austrália, Alemanha e Bélgica. “O mercado é esse e o açaí sob o contexto mundial e também do Brasil, ele é segurança alimentar”.  A Sedap desenvolve o programa Pró-Açaí cuja contribuição é aumentar a produção do açaí através da melhoria de manejo e enriquecimento dos açaízais situados nas regiões de integração produtoras do Marajó e Baixo Tocantins. 

 

 

A programação seguiu com a exposição do Plano Municipal de Desenvolvimento Rural e Agroindustrial (PMDRA) do Sistema Faepa/Senar que visa à integração institucional, contemplando os produtos de formação profissional e promoção social do Senar. “O PMDRA foi elaborado para otimizar os recursos financeiros, por meio das ações integradas com as instituições do “agro” instaladas nos municípios. A ideia é promover estratégias de curto, médio e longo prazo que orientarão várias gestões municipais, norteando o orçamento municipal na aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias”, explicou o assessor técnico do Sistema Faepa/Senar, Celso Botelho. 

 

Participaram da reunião prefeitos da região do Baixo Tocantins, Emater, Banpará e Sectet.