Sobre acessibilidade

Serviços

Início >> Artigos
27/02/2019 - 12:00

 

Famílias que trabalham na extração do açaí no Marajó vão receber recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), na modalidade Floresta. Cada família receberá R$ 60 mil para o manejo do açaí e compra do sistema de placa solar que vai garantir energia para conservação do fruto.

 

Esse foi o resultado da reunião da secretária executiva do Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável (Ceders), Martha Pina, com o representante do Banco da Amazônia, Iran Mendes, nesta quarta-feira (27), na Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap). O banco terá três meses para analisar a situação de inadimplência e capacidade de pagamento de 50 famílias de comunidades extrativistas dos municípios de Breves, Curralinho e São Sebastião da Boa Vista.

 

Essas primeiras famílias foram selecionadas pela Câmara Técnica de Crédito Rural, após inclusão no Cadastro Ambiental Rural (CAR) e serem dispensadas da licença ambiental pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas). Os aprovados serão assistidos pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), por meio de convênio com as prefeituras municipais.

 

O Pronaf Floresta é uma linha de crédito destinado ao produtor familiar para investir em sistemas agroflorestais, exploração extrativista ecologicamente sustentável, manejo florestal, recomposição de áreas de preservação permanente e reserva legal. O prazo para pagamento é de até 12 anos com carência de oito e juros de 2,5% ao ano. O recurso de R$ 60 mil vai permitir a compra do equipamento básico para conservar o açaí e inclui batedeira, freezer, placas solares e baterias.

 

Na próxima reunião da Câmara Técnica de Crédito Rural, dia 15 de março, serão selecionadas mais famílias de extrativistas do Marajó para novos financiamentos pelo Pronaf Floresta. A ação da Sedap é para facilitar o trabalho dos extrativistas, qualificar o produto e aumentar a renda dos produtores marajoaras.

 

Leni Sampaio - Sedap